domingo, 9 de maio de 2010

Sofrimento Minuto a Minuto

Quanto tempo hein, galere? Meu ritmo de escrita esses dias tem sido muito devagar. Bom, o ritmo do ano inteiro tem sido lento. Os motivos? Os de sempre, é claro. Não preciso citá-los. Chega de blablabla marxista, vamos arrochar logo isso aqui..

-Para os que realmente acreditaram no post anterior, eu realmente espero que este post os faça entender..-

☭Como vai você?☭

'E ai, quais são as novidades, hein ? *fung*'
Não são muitas, mas são importantes. Em primeiro lugar, finalmente entrei para a nova geração dos videogames comprando meu Xbox 360.
Yeah! Mas como se trata da minha vida, é claro que o destino tratou de me desfavorecer de alguma forma. Eu planejava comprá-lo com um certo cara de um certo lugar que me ofereceria, além de tudo, 20 jogos. Mas durante a pesquisa por preços, minha mãe acabou sendo fisgada por uma velha que sem dúvida tinha muita lábia. Jogou muita conversa, fez garantias de qualidade e moralidade evangélica, deu o endereço do seu culto e citou não sei quantas passagens da Bíblia. Mamãe adorou e não deu outra. Levei o Xbox abençoado e precisei riscar 8 jogos das minhas ambições iniciais, pois nele só vinham 12.

Em casa, entendi o motivo para os religiosos serem caçados pelos comunistas. 8 dos 12 não quiseram rodar de imediato. Depois de insistir, apenas 2 voltaram a funcionar de boa fé, outros 3 definitivamente não prestam e o restante continua impedido de rodar enquanto algumas atualizações de desbloqueio - leia-se gambiarras - não forem feitas. Aham, Jesus, senta lá.


☭A viagem☭

É, mas vamos logo ao que interessa. Há muito tempo algumas pessoas da minha família planejavam uma viagem ao Rio de Janeiro em decorrência de um casamento de algum parente nosso que mora lá. Parente nosso. É importante dar uma definição mais aprofundada da expressão 'Parente nosso' dentro da família Carvalho.

Pense numa família onde, talvez há 80 anos atrás, um casal tenha tido cerca de 10 filhos, que no futuro tiveram uma média de 7 a 8 filhos cada, que por sua vez tiveram de 2 a 3 filhos cada. Misture isso aos não incomuns casamentos dentro da família (Parente com parente, é. Falarei disso mais tarde.), à inúmeros amigos considerados como parentes e à uma divisão territorial significativa entre Ceará, Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro.
Se considerar os dados fornecidos, não é difícil imaginar que existam parentes inclassificáveis e talvez até ilegítimos. Na dúvida, se o sujeito veio de uma dos 4 polos da Família Carvalho e é velho, chamamos apenas de 'Tio' e, se for jovem, simplesmente de 'Primo'.

À viagem. Viajar para o Rio de Janeiro de avião sem dúvida deve ser agradável. Contarei como é quando experimentar. Vou contar-lhes agora como foi viajar até o Rio num micro ônibus sem ar-condicionado e sem banheiro. Tudo pode ser resumido numa frase que meu pai proferiu sabiamente logo no início da viagem: Será sofrimento minuto a minuto. TWENTY FUCKING HOURS DE PURO SOFRIMENTO.
Agora eu entendo por que chamavam Juscelino Kubitschek de maluco. O RIO É LONGE PRA CARALHO, como é que esse animal tem a ideia de passar a capital pra tão longe? É muito chão. É muita Minas Gerais. Quando tu acha que está chegando à Bolívia, ainda falta meia Minas Gerais.


Sem contar com a excitante experiência que é a de ser passageiro em um ônibus cujos motoristas possuem uma verdadeira aversão à espera e uma paixão pela adrenalina. O que não dava tempo de a gente defecar durante as paradas em tempo récorde pra abastecer, a gente defecava no ônibus depois de alguma ultrapassagem alucinantemente insana. Sofrimento minuto a minuto.


☭O Rio☭

Rio de Janeiro, primeiras impressões: Manoel Carlos engana o Brasil todo dia. Não espere encontrar gente bonita nas ruas, passeando com seus cães de raça nas calçadas limpas ou rapazes exibindo seus corpos sarados durante um jogo de futvolei nas belas praias cariocas embaladas por Bossa Nova. Tirando a bolha da classe média-alta dos bairros e praias mais conhecidos, o Rio de Janeiro é, essencialmente, um favelão. Sujo, feio, fedido e com MUITO funk. A gente pode até reclamar dos funks que tocam aqui, mas, acreditem, o que toca aqui é só o que teve de 'melhor' lá. Eu espero que os cariocas que eu conheço não se ofendam muito com isso, mas se um dia vierem a Brasília provavelmente verão que uma cidade não precisa feder.

Os passeios não passaram nada perto do planejado, mas foram, lá no fundo, engraçados. Com toda minha experiência de vida, já aprendi a rir muito de tudo o que acontece de frustrante pelo caminho. E não foi difícil encontrar pretextos graças ao 'Tio' Chicão. Com seu chapéu de Indiana Jones e sua pança esférica, ele foi um verdadeiro empata-passeios. Pra dar uma noção, foi ele quem nos arrumou o excelente micro ônibus com seu excelente par de motoristas. Grande parte das nossas andanças desventuradas devem sua graça ao 'tio' Chicão. Outras, talvez, devem-se à nossa própria imprudência ou senso de aventura exacerbado.
Por exemplo: quando enfrentamos o mar na praia de Copacabana com o inocente e estúpido intuito de ficar pulando onda como faria qualquer outro turista brasiliense. Nunca me fudi tanto num dia só. Engoli água, comi areia, vomitei no mar, me afoguei, me queimei de sol e capotei feito um boneco de trapo na beira da praia. Até hoje minha pressão tá alta graças a todo o sal que eu engoli e, daqui a uns 25 anos, meu proctologista provavelmente encontrará grãos de areia durante o exame do toque. Sofrimento minuto a minuto.

Antes de mudar de assunto só gostaria de citar que eu conheci o maior favelão que há por essas bandas: a Rocinha. Descobri que tenho alguma 'tia' enfiado lá no meio da bagaça. É, foi algo no mínimo interessante. Feder, como todo o Rio, ela fede. Feia, como todo o Rio, ela é. Suja, como todo o Rio, ela também é. Funk, como em todo o Rio, também toca lá. Mas não consegui evitar a comparação entre o que eu via na Rocinha com as imagens que a gente vê da Índia, com ruas abarrotadas de gente, carros, motos, elefantes, vacas, carneiros, comunistas e o caralho passando. Tire os elefantes, as vacas, os carneiros e os comunistas e transformamos a Índia na Rocinha. 
A seguir, foto de família pra provar que estive lá (embora tenha saído com uma cara de Stalin escrota):


☭A Família Carvalho☭

Sempre achei que minha família materna fosse bastante liberal, bagunceira e maluca. Quando conheci o núcleo da família em terras cariocas, descobri que aqui somos quase puritanos. É incrível como lá todo mundo bebe, todo mundo fala alto, todo mundo xinga, todo mundo faz festa e todo mundo fuma. Esse último, exageradamente. Provavelmente fumei uns 10 maços de cigarro passivamente a viagem inteira. 

Como já havia dito, os casamentos consanguíneos não são raros. Graças a isso, a pressão que fizeram em mim pra que eu pegasse uma 'prima' foi altíssima. Esse provavelmente foi o ponto mais frustrante da jornada. Eu não queria pegar uma 'prima', nunca quis. Poderia seguir muito firme e convicto, caso meu primo Vinícius não pensasse diferente. Ele queria pegar uma 'prima', e o fez. Isso me deixou completamente isolado nos ideais e fiquei com fama de 'pega-ninguém' ou 'vaquinha mansa no pasto'. Terrível. Me perturbaram pra caralho, a ponto de eu considerar a hipótese de catar uma 'prima' só pra ver se calavam a boca.
Certo, só havia duas 'primas' na minha faixa de idade, uma o Vinícius carcou e a outra era uma funkeira da pior espécie. Relutei e relutei mas no final acabei sobrevoando. Resultado? 'Não curto muito essa história de ficar com primo', disse ela. Hm. Parece que a única coisa que compartilhamos foi a opinião. No final, como fiquei? Muuuuuuuu..


Tudo bem, isso não importa (mentira, importa sim). Minha família é incrível, divertida e de mente aberta. Pena que por algum motivo não consigo me misturar à eles perfeitamente. Deve ser por não ter Carvalho no nome, vai saber..


Enfim. Antes de terminar com essa subversão, só gostaria de contar um causo ocorrido por lá. Sexta feira, lá estou eu triste, cabisbaixo, peguei ninguém, ninguém pra conversar, saliva salgada e areia nas juntas.. Precisava de um computador. Consegui o notebook da minha irmã e sentei na escada da varanda da casa do meu 'tio', que dava pra uma ladeira enorme dentro da casa dele que superaria qualquer declividade de Brasília. Pois bem, entrei no Msn e havia algumas pessoas interessantes, mas nem tive tempo de falar com elas. Eis que um dos motoristas alucinados do micro ônibus se aproxima. Bêbado, fumando e sem camisa. Gostaria de ressaltar o quão nojento era a pluma corporal dele. O cara tinha pelo nas costas, MAS DE UM LADO SÓ! Que merda, era muito feio. Os cabelos do sovaco esquerdo dele se estendiam até as costas, mas os do direito não! Cruzes.


Ele se aproxima e senta ao meu lado. Bota o bração sovaqueira em volta do meu pescoço e pede com um bafão de álcool-nicotina que eu vá no orkut dele pra ele me mostrar uma coisa. Diálogo reproduzido a seguir:

Motorista: ENTRA AÊ NO ESPACINHO, ricardo-cesar-arroba-rotmêiul-ponto-com. Arrocha aê parcero.
Eu: Er.. Ok o_o Senha?
Motorista: Entra aê.. MPVA1924.
Eu: Hm.. Não quer entrar..
Motorista: DIGITA CERTO AÊ POW.
Eu: Não seria Gmail?
Motorista: Rooootimêil pô.
*Depois de 10 minutos tentando*
Eu: Não quer dar, cacete! A senha deve estar errada!
*Motorista me lança um olhar de trancar o cu*
Motorista: Tá me dizendo que a senha tá ERRADA?! Olha só. MP - Manuela e Paloma, minhas filhas. VA - Victor e Adriano, meus filhos. 1924, o ano que meu pai nasceu. Tá dizendo que eu num sei o nome dos meus filhos?! Tá dizendo que eu to errando o nascimento do meu próprio pai?!
Eu (cagado): ..mas não quer dar..
Motorista: Caraio, então deixa quieto.

Ele vai embora e eu suspiro de alívio. Quando volto a atenção ao Msn, todo mundo interessante tinha ido embora. FILHO DA PUTA! Tudo bem, me acalmei e fiquei matando tempo no Orkut por uns 30 minutos, até o desgraçado retornar:

Motorista: Fui ali no outro computadô e consegui entrar, porra. Mas já sei por que num entro. Arrocha aê: ricardo-cesar-1970-arroba blablabla..
Eu: Num falei que tinha algo errado? Vamo ver aqui..
*Não entra*
Eu: Não deu..
Motorista: PORRAAAAAAA, MAS LÁ NO OUTRO DEU!
Eu: CALMA, me mostra lá do que tu viu então, porra.

A maldição do Orkut dele realmente abria no outro computador. Certo, achei que ele queria me mostrar algo, mas não era bem isso. Ele precisava enviar uns scraps, mas ao que parece estava bêbado demais pra isso. Queria que eu fosse seu 'digitador' e eu aceitei.
Só não imaginava que ele queria mandar scrap pra 80% dos contatos e que queria resolver sua vida inteira naquela noite. Mandei recados ordenando que pessoas tomassem no cu, reatando laços de família depois de anos sem contato, arroizando mulheres, dispensando a esposa e quase largando o emprego dele. Em todos os recados ele mandava dizer que estava na Espanha fazendo algo que com certeza renderia muito dinheiro. Fiquei quase 1 hora escrevendo scraps, e poderia ficar mais se meu pé não tivesse puxado a tomada do computador acidentalmente.
Ele me agradeceu e disse que me daria um prêmio. Nunca fiquei sabendo que prêmio seria esse, só sei que no dia seguinte preferi não contar a ele dos scraps enviados. Estivesse lúcido ou não, melhor que tenha recebido as respostas em casa ou, se for o caso, na Espanha.



Comunistas me mordam! Nunca demorei tanto tempo pra escrever um post. Bom, tentarei agilizar as atualizações dos blogs (inclusive este: http://abra-seus-parenteses.blogspot.com/). Ou não.

Beijinhos vermelhos e até a próxima.



10 comentários:

  1. KKKKKKKKKKKKKK muito féra suas ferias viu (y) o bom que eu to na históriia tbm :)

    ResponderExcluir
  2. Não fosse as malditas provas teria ido com a familia nessa viajem,mais pelo o que vc falo ai não perdi muita coisa não.

    ResponderExcluir
  3. Veeeeeei sua viajem foi uma AVENTURA e um sofrimento..kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.. o tio meio peludoo foi massa!!!

    ResponderExcluir
  4. Aconselho a xingar motoristas, rocinha e Índia, fumantes e proctologistas no twitter. Muito.Sério. / [reconhecimento] bem criativo. [/reconhecimento] :)
    Bruna Bugana <3

    ResponderExcluir
  5. huahauh Melhor parte a do Causo...ricardo-cesar-arroba-rotmêiul-ponto-com "Valeu Dora"

    ResponderExcluir
  6. Espero que todos aqui tenham visto Central do Brasil uma vez na vida..

    ResponderExcluir
  7. "Quando tu acha que está chegando à Bolívia, ainda falta meia Minas Gerais."

    HUASUHASUHAUHSUHAUHSUHASUHAHUSUHAUHSUHASUHAUHSUHAUHSAUHSUHAUHSUHHAUSUHAUHSUHA

    Suas férias. Sensacionais, Nelso. #Inveja.
    --------
    Central do Brasil? A mãe do molequinho é uma atriz paraibana que cheguei a ter aula de "teatro" com.

    ResponderExcluir
  8. mwauhauhauah ri muito da cara de Stalin na foto XD

    ResponderExcluir
  9. uahsduashduahudhuhd ;.,.,.;;,;.,

    tinha tempo que eu não dava umas boas risadas francas...

    suas férias foram legais,botei fé...
    a vaquinha+foto do estalin+ minas gerais=kkkkkk

    ResponderExcluir

Faça como todo cidadão de bem e denuncie a subversão!